quinta-feira, 17 de agosto de 2017

20ª Paragem: Cuidado com os radares!

IX Trail Noturno da Lagoa de Óbidos

Tempo: 04:02:02
Distância: 42.42kms
Classificação Geral: 15º Classificado
Classificação Escalão: 8º SenM

terça-feira, 1 de agosto de 2017

19ª Paragem: Quem não arrisca, não petisca!

35ª Corrida do Bodo

Tempo: 00:35:49
Distância: 10.02kms
Classificação Geral: 37º Classificado
Classificação Escalão: 21º SenM

Desde Montejunto as coisas não andavam bem... Desde a recuperação da entorse lá contraída até um período em que os treinos não estavam a render como "normal", a verdade é que apesar de andar a treinar e a cumprir com quase tudo o que estava previsto, cheguei à última terça feira (25/07) e não deu mesmo para treinar! Estava tudo a correr mal e estava na hora de meter a cabeça no lugar e voltar aos treinos com total disponibilidade. A verdade é que não treinei, fui a um rodízio de carne brasileira, como tanto gosto e na quarta estava de volta aos treinos! Um dia foi o que bastou para refletir e "arrumar as prateleiras". O primeiro treino ainda não foi como queria, mas na quinta já estava a conseguir cumprir com tudo o que estava planeado e a sentir-me otimamente bem, como já não me sentia há meses, provavelmente! 

sábado, 15 de julho de 2017

O que custa é dar o primeiro passo!


Desde pequeno que me habituei a ver o meu pai correr... Quer fosse em montanha, em estrada ou mais recentemente em trilhos, sempre adorei vê-lo correr e ver a maneira como se ia superando! Tal como o via a competir, começei a gostar também eu de o fazer, desde a natação ao basquetebol, passando pelo futebol, tive o meu percurso em várias modalidades até que aos 18 anos, ao abandonar a "terra natal" fiquei sem desporto para praticar. Continuei a ter um gosto enorme por desporto, via tudo o que podia mas apesar de ter aulas de treino físico todos os dias faltava a prática regular de desporto (tendo em conta que o desporto tem por base um objetivo)... Nas provas do meu pai iam-me perguntando quando iria começar a correr também, dizia com timidez que tudo a seu tempo mas tinha alguma preguiça de começar. Para dizer a verdade, tinha preguiça mas também tinha medo, via o que os atletas iam vivendo e isso também me assustava.

terça-feira, 11 de julho de 2017

18ª Paragem 2017: Pedras no caminho? Guardo-as todas! Um dia vou construir um castelo

Hard Trail Montejunto

Tempo: 02:19:28
Distância: 16.2kms 
Classifĩcação Geral: DNF
Classificação Escaĺão: DNF


Já passou uma semana e meia desde o Hard Trail Montejunto e o "espaço temporal" que gosto de respeitar para fazer o post sobre uma prova já passou. Ainda assim devo à organização desta prova e à própria serra de Montejunto fazer o resumo da mesma, ou pelo menos, o resumo da parte que consegui completar... Mas já lá vamos!

terça-feira, 20 de junho de 2017

17ª Paragem 2017: Aproveitar o bom momento

Trilhos Loucos da Reixida

Tempo: 02:47:31
Distância: 28.28kms
Classificação Geral: 3° Classificado
Classificação Escalão: 3° SenM

domingo, 11 de junho de 2017

Carta aberta à seleção nacional de Trail Running


Antes de mais gostava de vos dizer que foi um orgulho enorme acompanhar a vossa prova no dia de ontem... Fui acompanhando o desenrolar da prova de todos vós e quando vos vi a cortar a meta devo admitir que me ia caindo uma lágrima do canto do olho, é que vocês cumpriram um objetivo que defini há algum tempo e para o qual tenho trabalhado!

terça-feira, 30 de maio de 2017

16ª Paragem 2017: Que surpresa!

Columbeira Trail Run

Tempo: 01:56:38
Distância: 20.22kms
Classificação Geral: 3º Classificado
Classificação Escalão: 2º SenM

Foto da prova tirada pela minha irmã aos 16kms... Ótima foto com uma bela edição, parabéns maninha!

Na semana de 22 a 27 de Maio tinha como grande objetivo recuperar o corpo... O objetivo do primeiro semestre estava ultrapassado e a partir desse momento era importante tentar voltar ao "normal" o mais rápido possível. Assim, acabei por ir variando entre a corrida e a natação de maneira a evitar impactos! De dia para dia as sensações eram melhores, enquanto que na segunda feira o movimento de corrida estava "emperrado" e custava muito, no final da semana estava a voltar a correr abaixo de 5'/km e com ótimas sensações. Ainda que soubesse que num espaço temporal de 8 dias fosse impossível recuperar o corpo para um alto nível competitivo, tentei ao máximo estar "capaz" de competir numa prova curta mas que se adivinhava dura vendo o "vídeo de promoção" do Columbeira Trail Run.

Aquelas preocupações normais com a alimentação não foram propriamente uma prioridade alta nos primeiros dias da semana, o corpo basicamente absorvia tudo e estava "voraz" por repor todo o gasto do EGT e fui-lhe fazendo a vontade até que na quarta feira fui retomando os hábitos e tentei fazer uma alimentação o mais correta possível... Alguns dos vícios ainda não estão ultrapassados, o corpo ainda está ressentido mas já está a um nível aceitável. O que nunca deixou de ser uma prioridade foi a água, tentei sempre repor os níveis ao máximo e quando cheguei a sábado, o dia antes da prova parecia que pelo menos nesse aspeto estava tudo normal. Estava na altura de descansar para no domingo seguir para a prova.

Como era o único da equipa a ir a esta prova fui reforçado por dois elementos do "staff", a minha irmã, ou como ela gosta de ser chamada a diretora de imagem e a Mariana, ou como ela gosta de ser chamada a fã número 1. Saímos cedo de Torres Novas para garantir que estava tudo pronto a tempo e à hora prevista estávamos no local indicado pela organização no site/facebook da prova junto com alguns dos pontos de passagem onde os acompanhantes poderiam ver os atletas passar... Ótima iniciativa, parabéns pela ideia! Cheguei, fomos logo levantar dorsais e quando a minha irmã foi ver a lista de inscritos lá estava o dorsal nº1 atribuído a mim. Obrigado Daniel Dias, pelo convite e pelo "mimo" do Nº1.

Dorsal número 1 antes da partida
Antes da partida falei um bocado com o Daniel, acabei de preparar tudo com a ajuda do "staff" e fui dar uma corrida para aquecer... Vi o Rodrigo Noivo, o Miguel Bértolo e mais alguns amigos, trocámos umas palavras e fui ver ao longe a Cruz que marcava o fim da Subida do Picoto, mais uma bela iniciativa da organização que iria atribuir troféus aos três primeiros atletas a atingirem essa cruz (2.9kms de prova com 170D+). Quando estava a regressar ao local de partida aproveitei para me "despedir" da Joana e da Mariana e segui para ouvir o "briefing" da organização.

A ouvir o briefing... Foto de: Rui Loureiro Marques (obrigado pela "dedicação")
Após as palavras de vários elementos com algumas indicações importantes os atletas aglomeraram-se na partida, prontos para o início da prova... Após contagem decrescente seguimos para a primeira parte da prova, a tal até ao topo da subida do Picoto. 

O "abrir das hostilidades". Foto de: Rui Loureiro Marques
O ritmo inicial embora não fosse exageradamente alto foi relativamente forte... Aproveitei para abrir a passada e ia vendo pelo relógio o ritmo a que estava a ir para não me "descontrolar". Enquanto que no primeiro quilómetro fomos num grupo com alguns elementos, dentro do segundo quilómetro o Nuno Preciado acabou por fazer uma parte mais rápido, destacando-se do grupo, o que levou a um natural aumentar do ritmo e consequente esticão no grupo que vinha desde a partida. Foi também nesta altura que entramos dentro de uma das aldeias vizinhas da Columbeira, onde iríamos iniciar a subida até ao Picoto. O alongamento do grupo levou a que entrasse na subida em 4º lugar, atrás do Nuno que se tinha destacado, do Rodrigo que tinha assumido a perseguição e de outro atleta que ia junto com o Rodrigo... Apesar de as pernas ainda não estarem a 100%, o terreno onde estavam melhor era mesmo a subir e aproveitei para fazer o início da subida a correr, até para tentar entrar nos lugares do "pódio"! Logo nos primeiros 50 metros ganho o terceiro lugar e tento ir em perseguição do Rodrigo mas cedo percebo que a inclinação da subida é tal que era inevitável pôr a passo por aquelas escadas acima... Tento ao máximo retardar esse momento mas ao fim de 75 metros lá meto a passo ficando a 15 metros do segundo lugar! Tento meter um passo forte mas tal como eu, quer o Rodrigo quer o Nuno também metem. Vou controlando quem vem atrás e começo a ganhar alguma vantagem, parecia que o terceiro lugar estava "assegurado".

Meio da subida do picoto... Vê-se o início lá mesmo ao fundo. Foto de: Nuno Neves
A toada da primeira metade da subida mantém-se na segunda, a desvantagem para os da frente estava "estagnada" e a vantagem para os de trás crescia muito ligeiramente... Foi assim que cheguei ao topo da subida, o primeiro prémio estava garantido e agora começava a segunda parte da prova, os 17kms que nos iriam levar até à meta! Apesar de ter chegado em 3º lugar, este contava apenas para o prémio de montanha da organização uma vez que o Rodrigo era da prova pequena, encontrando-me assim em 2º lugar da geral dos 20kms atrás no Nuno Preciado. A descida que se seguia não era muito inclinada nem muito técnica, tentei ao máximo poupar as pernas de um desgaste precoce que poderia aparecer mas tentando ao mesmo tempo não perder lugares, conseguindo manter a posição no final da descida.
1ª descida da prova. Foto de: Pedro Carvalho

Entramos de seguida numa linha de água, uma zona mais rochosa que exigia alguns cuidados técnicos para evitar quedas e evitar também molhar o pé... É nesta zona que o Paulo Pernes me passa, passando assim a 3º da geral! Assim que saímos da zona do rio, passamos uma mini levada e entramos na segunda subida da prova, uma subida mais longa com o mesmo desnível levando a que conseguisse fazer tudo a correr e a um ritmo confortável. Cheguei lá acima e tinha ganho alguma distância para os atletas que se tinham chegado durante a fase do rio, excepto o Vitor Santos que assim que acabou a subida passou por mim a um ritmo forte e não fui capaz de o acompanhar. Estava nesta altura em 4º lugar mas as sensações a subir eram bastante agradáveis. Tento meter um ritmo forte nos quilómetros que se seguiam e poucos metros antes do primeiro abastecimento a prova faz um "cotovelo" onde vejo que não tenho ninguém atrás de mim num espaço de 200 metros. Como levava a mochila opto por não parar no abastecimento e arranco logo para nova subida... Consigo fazer tudo a correr novamente e sigo viagem sem ouvir ninguém atrás de mim! Por volta dos 8.5kms entramos num single track à direita e embora não houvesse fitas do lado esquerdo (que segundo a organização indicava que iria haver mudança de direção para esse lado) também não existiam fitas num espaço de 150mts... Como as marcações estavam a ser muito boas até ao momento, achei que me tinha enganado e volto para trás. Quando estava a chegar ao sítio da última fita, vejo um grupo grande a vir na minha direção, digo que não vejo fitas, eles também não vêm fitas a indicar a mudança de direção portanto voltamos a arriscar no caminho de onde eu vinha... A verdade é que passados 300mts lá estavam as fitas e seguimos caminho (as marcações foram perfeitas ao longo de todo o percurso o que me leva a crer que aquele troço sem marcações não foi da sua responsabilidade). 

Sigo na frente do grupo e tento meter ritmos mais altos para me voltar a "isolar" e consigo parcialmente, junto a mim já só estavam dois atletas, até que perto do quilómetro 10 entramos na zona mais técnica do percurso. Apesar de ir na frente do "grupo" e tentar apertar um bocadinho comigo, sabia que o ritmo não ia muito rápido, oiço os restantes atletas a aproximarem-se mas felizmente o troço não era muito comprido e passados 700mts entramos na aldeia de Camarnais iniciando uma nova fase do percurso... Quando saímos da aldeia o percurso começa logo a subir, ganho um lugar que tinha perdido logo após a entrada na aldeia e aproveito para ganhar o máximo de vantagem que consigo. A subida era longa mas o final não era muito inclinado, tento meter novamente ritmos mais fortes e chego rapidamente ao segundo abastecimento. 

Após o segundo abastecimento, numa das zonas mais bonitas da prova. Foto de: Rui Loureiro Marques

Após o segundo abastecimento até cerca do quilómetro 17, o "relato" da prova foi muito semelhante: sempre que era a descer, eu perdia um lugar para o Pedro Gouveia, sempre que era a subir, conseguia fazer tudo a correr e voltava a ganhar a posição! Durante os troços a direito (tal como na fotografia acima, numa passagem lindíssima de uma levada, seguindo para uma ponte que iria dar à subida dos 14kms) conseguia minimizar o a distância que estava a perder.

Passagem pela ponte. Foto de: Rui Loureiro Marques
Aos 16 quilómetros, após uma descida muito, muito inclinada, passo pela Mariana e pela minha irmã que estão à minha espera, digo que a descida anterior era muito complicada e que perdi um lugar por causa disso mas que ia tentar recuperar... E é mesmo isso que acontece, aos 17kms dão-se as últimas duas subidas da prova e como via o relógio a aproximar-se cada vez mais do fim, aproveitei para as fazer mais fortes, ganhando uma distância considerável para o Paulo. Quando chego ao final da penúltima subida iniciamos a descida já a ver a aldeia da Columbeira ao longe e decido arriscar mais um pouco... Foi uma aposta ganha, consegui não voltar a ouvir quem vinha atrás e já na última súbida só vi o Paulo uma vez! De seguida tínhamos uma descida mais técnica que a anterior mas tinha que arriscar à mesma, já faltava muito pouco.

Descida final. Foto de: Pedro Carvalho
Já no final da descida vê-se o caminho por onde iniciámos a prova, aperto ainda mais comigo e quando vou no troço de alcatrão que dá para a derradeira subida da prova (muito curta e pouco inclinada) vejo o atleta que ia à minha frente... Vou-me aproximando aos poucos e mesmo quando chego ao topo da subida, apanho o Paulo Pernes e acabo por o passar sem haver resposta, seguindo para a linha de chegada com o terceiro lugar da geral e segundo SenM.

Pódio da subida do Picoto. Foto de: Rui Loureiro Marques

Pódio da classificação geral com o mentor da prova, Daniel Dias. Foto de: Rui Loureiro Marques
A nível pessoal acabei por me sentir melhor do que estava à espera... Embora os ritmos não fossem tão altos como a prova pedia, consegui sempre andar bem a subir e minimizar o tempo que ia perdendo a descer tentando não arriscar demais. Agora é voltar aos treinos porque para a semana há Sesimbra e depois é descansar deste ciclo competitivo intenso.

Em relação à organização esteve muito, muito bem! Um cuidado enorme com os atletas que se fez notar desde o início com o briefing, um percurso super completo com trilhos exigentes tecnicamente mas também subidas "fáceis" para quem tivesse pernas para correr nelas e abastecimentos excecionais (embora não tenha parado deu para dar uma olhadela). Os prémios eram bonitos e com significado, dando destaque aos moinhos para a geral e para os prémios da "contagem de montanha" que deram outro significado aos 3 primeiros quilómetros! Recomendo esta prova a toda a gente, muitos parabéns Daniel por todo o trabalho com o percurso e à restante equipa por terem conseguido meter este evento "de pé"!