3ª Paragem 2017: O Record Pessoal aos 10kms ali tão perto

3ª São Silvestre da Golegã

Tempo: 00:35:24
Distância: 10.05kms
Classificação Geral: 13º Classificado
Classificação Escalão: 11º SenM

Não vos vou incomodar mais a falar da minha recuperação, não vou falar da semana antes, nem dos treinos, isso ficou tudo no último post (Do hospital à S. Silvestre da Golegã) e desta vez vou saltar diretamente para o dia da prova.

Esta prova tinha "dois lados da moeda": por um lado tinha pouco treino nas últimas duas semanas, por outro estava mais descansado e com mais força para poder andar a ritmos altos. Embora o primeiro fosse um fator importante, sabia que desde que o pé não desse sinal, numa prova de 10kms bem gerida, era difícil de "dar o berro". No dia da prova fui ao Luís (para quem não leu o último post é o "meu" fisioterapeuta), ele fez-me uma ligadura funcional para o pé fazer apenas os movimentos que são supostos e disse que estava à vontade para a prova, que em princípio não ia sentir o pé, desejou-me boa sorte e fui-me juntar à minha equipa, para seguirmos para a Golegã.

Tinha falado com o meu pai, um bom aquecimento era fundamental... Servia para ver como estava o pé, para combater o "frio" que se fazia sentir e para preparar o corpo para os possíveis 10kms a um bom ritmo. As indicações eram para fazer os 5 primeiros quilómetros a um ritmo controlado (o meu pai falou em 4'/km) e depois nos segundos 5 ver o que dava o corpo.

Foi assim que saí para 20' de aquecimento, começei a um ritmo moderado, o pé estava ok, abri um bocado mais o passo e voltei a sentir o pé bem, quando faltavam menos de 10' para a partida sentia o corpo pronto para a prova, da cabeça até ao tornozelo, passando pelas pernas... Estava na hora de ir para a partida.

Equipa pronta para a partida da S. Silvestre da Golegã
Começei por entrar na parte de trás do "funil de partida" para não ter grandes vontades de subir o ritmo, mas assim que entrei fui cumprimentando malta conhecida e em menos de nada estava na terceira fila de atletas, junto com o Nuno Boniek. Após uma contagem decrescente de 10 até 0, saímos para os últimos quilómetros em prova da época.

Na sequência daquilo que aconteceu nas duas anteriores edições, o ritmo de saída foi muito forte. Tentei não olhar para o relógio, meter um ritmo que não fosse demasiado forte e só quando estivesse estabilizado nesse ritmo, verificar. Fiz a primeira reta da prova e no final olhei para o relógio: 3'30''/km. Era bem mais alto do que o meu pai tinha dito mas estava a sentir-me bem e o corpo não "pedia" para abrandar. Apesar de estar a ser ultrapassado por alguns atletas tentei não meter ritmos mais fortes, estabilizar e no fim logo se veria. A verdade é que manter este ritmo levava-me a 9" do meu record pessoal, batido em Junho deste ano (Corrida da Nazaré). A partir do 1º quilómetro o número de atletas que me passava ficou praticamente reduzido a zero, aliás, estava a aproximar-me do grupo que ia à minha frente. Aproveitei a cola desse grupo e como me estava a sentir bem acabei por passar e ir em busca dos outros grupos da frente. Estas ultrapassagens estavam a deixar-me motivado, além disso os vários amigos que estavam a acompanhar a prova por fora (obrigado mano mais velho pelo apoio) continuavam a puxar por mim e em determinados momentos até me esqueci do tornozelo.

Uma das ultrapassagens após a partida mais "lenta"

Aos 5kms de prova levava 17'33'', três segundos abaixo dos 3'30''/km e continuava a sentir-me muito bem... Por volta dos 7kms aconteceu algo diferente do que tinha vindo a acontecer, o espaço entre os atletas que tinha passado e os que se seguiam era substancialmente maior do que tinha sido até ali e a motivação que falava antes de ir ultrapassando os atletas diminui... Como a prova estava a correr-me "de feição", acabei por ligar pouco ao relógio e quando o fiz, vi que o ritmo tinha diminuído para os 3'40''/km. Parecendo que não, o quilómetro que tinha perdido a este ritmo fazia com que fosse muito mais complicado de me reaproximar dos 35' finais. Se antes deste quilómetro chegava fazer os dois últimos quilómetros ligeiramente abaixo de 3'30'', agora era preciso baixar dos 3'20''. Não sabia se era possível, mas a consciência mandou-me não o fazer. Entrar dentro do minuto 35 era mais que suficiente e como praticamente não tinha sentido o pé, o objetivo da prova estava completamente cumprido.

Já dentro do último quilómetro acabei por conseguir juntar-me a dois atletas que já iam à minha frente há algum tempo e consegui mesmo passar... Acabei por fazer o quilómetro mais rápido da prova 3'22'' e 35'24'' como tempo final. Se pensar que menos de duas semanas antes já tinha esquecido que poderia ir a esta prova, foi um ótimo resultado.

Reta da meta... O objetivo estava mais que cumprido!

Em relação à organização, a única coisa que tenho a dizer é parabéns! Por três anos consecutivos meteram uma prova em pé onde os atletas pagam "pouco", recebem brindes e um ótimo jantar que compensa claramente esse dinheiro, têm um percurso com muito pouco desnível para quem quer bater tempos. Tudo isto aliado a estar mesmo ao lado de casa, faz com que tenha muito orgulho em ser totalista da prova e tenha muita vontade de continuar a ser.

Comentários

  1. Bem com umas semanas de treino isso baixa facilmente dos 35 minutos :)

    Bons treinos! Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já baixou uma vez e tinha como objetivo bater o meu RP nesta prova... Se não fosse a lesão acho que o conseguiria fazer. Agora é continuar a treinar para em 2017 conseguir fazer cair os 34'51''. Já agora, parabéns pelo resultado na S. Silvestre da Amadora :)

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares