14ª Paragem 2018: É por isto que dá gosto treinar!

Trilhos do Valado

Tempo: 01:45:26
Distância: 21.04kms
Classificação Geral: 3º Classificado
Classificação Escalão: 1º M18

Não é segredo para ninguém que as coisas nos últimos tempos me têm corrido bem. Quer no instagram, quer aqui pelo blog tenho falado várias vezes das boas sensações que tenho tido desde que voltei aos treinos intensos após a pausa e até os resultados eram indicadores que as coisas estavam a andar bem. Ainda assim, faltava o teste final, faltava ir para os trilhos em competição e perceber se os resultados que obtive em Agosto na estrada, estavam também a ter reflexos com desnível e algum nível de tecnicidade. 

Os requisitos estavam lançados e não foi difícil encontrar uma prova que se adequasse aos mesmos... Com três provas concluídas para o apuramento da Taça de Portugal de Trail (Corvus, Almonda e Reixida), faltava-me a quarta prova para fechar apuramento e potencialmente ainda ter oportunidade de mandar uma prova fora! Ora, no final de Agosto surgia no calendário uma prova que já tinha realizado em 2017 e que servia perfeitamente as condições que tinha imposto... Os Trilhos do Valado estavam escolhidos como A prova de regresso aos trilhos e já só me restava preparar a prova para chegar lá na melhor forma possível. 

Felizmente que a preparação da prova foi correndo praticamente como planeado, a sequência de boas sensações teve continuidade após as provas da estrada e mesmo após a Batalha, a prova que me deixou mais marcas dos últimos tempos, consegui manter o nível dos treinos. Para ajudar, o Caracol Trail Team decidiu dedicar-se a esta prova à "moda antiga" e lá seguimos com uma autêntica comitiva de caracóis para Valado de Frades. 

Equipa pronta para as provas dos Trilhos do Valado

A prova onde iria participar era a primeira a partir... Quando chegámos fomos logo levantar os dorsais e após uma pequena confusão no levantamento de dorsais (primeiro já os tinham levantados mas na realidade não tinham) que foi prontamente resolvida, fomos equipar e fazer um pequeno aquecimento para uma prova que se adivinhava com ritmos altíssimos e com um nível de exigência muito grande com quase todos os "favoritos" da zona centro a marcarem presença. Quanto a mim optei por levar o colete, sabia que o tempo seria sempre "contado", que não poderia parar em nenhum abastecimento e preferi levar tudo o que precisava comigo e gerir a prova autonomamente. 

No sábado antes da prova, fui reler o meu relato de 2017 e relembrei-me da pontualidade britânica da organização... Para prevenir algum percalço, marquei presença na zona da partida 5' antes e já estavam os últimos pormenores a ser ultimados! Um briefing rápido sobre a cor das fitas e agurdámos pelas 9h em ponto para ao som de uma buzina, sair para o tal teste à "máquina". 

Primeiros metros da prova

O ritmo inicial foi exatamente como previsto... O Henrique do Rosário saiu na frente a um ritmo altíssimo e acabou por formar ali um grupo que o decidiu seguir! Não tenho propriamente noção de quantos atletas seguiam no grupo até porque fui sempre colado à frente e só quando entrámos na zona dos trilhos tive a perceção de quem seguia, mas já lá vamos... Os primeiros 3kms eram percorridos entre alcatrão e trilhos sem desnível e tecnicidade, não surpreendendo portanto os 11'20'' quando ultrapassámos esta distância. A partir daqui é que começou a verdadeira prova! Aos 3.4kms entramos na zona de "floresta" que é característica dos arredores de Valado de Frades e logo desde a primeira subida, formou-se um grupo de quatro que assumiu as despesas da prova ao longo de todo o percurso. O grupo era constituído pelo Carlos Bárbara, pelo Filipe Costa, por mim e pelo Fernando Gomes... A ordem não é aleatória, já a vão perceber! 

Entrada nos trilhos do quarteto da frente

Vamos então aos primeiros trilhos da prova... Assim que nos aproximamos da entrada, o Carlos acaba por ganhar vantagem e entra no trilho na frente do grupo! Eu já conhecia aquela zona do ano anterior e sabia que a fase inicial era muito rolante... Tentei nunca perder o contacto e ver o que a prova dava, seguindo logo atrás do Carlos com o Filipe e o Gomes logo atrás! O homem que impôs o ritmo nos 3kms iniciais já não se encontrava connosco mas não foi por isso que este abrandou, passando aos 5kms com 20' certos, altura em que o filme da prova começa a mudar. Embora a prova tivesse sempre uma ligeira inclinação positiva, é aqui que surge a primeira "parede" da prova e o Filipe aproveitou para "disparar" para a frente do grupo e ganhou alguma vantagem... Dos 4 acho que sou o que conheço melhor o Filipe e não o queria deixar na frente da prova sozinho! Acabei por gerir a subida à minha maneira e depois assumi a perseguição ao Filipe juntamente com o Carlos, tendo chegado à primeira zona de cascata com muito pouco atraso. Assim que fazemos o primeiro troço da cascata, uma zona em que andamos praticamente a fazer escalada, o Carlos acabou por recuperar o atraso imediatamente e eu acabo por me atrasar ligeiramente... O Gomes cola a mim mas assim que chegamos à zona de sobe e desce mais técnico, digo ao Gomes para seguir e ele também consegue chegar ao duo da frente, tendo eu ficado ligeiramente atrasado mas quase sempre em linha de vista com o recém formado trio da frente. 
Final do trilho da primeira cascata, já com ligeiro atraso para os três da frente

Após esse primeiro trilho da cascata temos uma ligeira descida sem dificuldade técnica e chegamos ao primeiro abastecimento, nas termas, e percebi logo que tinha feito bem em ter trazido o colete... O peso era mínimo (só tinha mesmo os flasks e as embalagens de gel) e qualquer segundo perdido nesta prova nos abastecimentos poderia ser fundamental! Segui sem parar tal como os restantes elementos, fazemos uma subida fácil, seguida de nova descida fácil... Passamos o alcatrão e vamos em direção a nova zona de cascata (a 2ª de 4 zonas). Durante esta fase mais fácil do percurso ainda consegui fazer uma ligeira aproximação à frente da prova mas o ritmo teimava em não baixar e o pouco que ganhei, acabei por perder na zona da cascata, sendo que desta vez com muito menos prejuízo do que no primeiro troço. A segunda zona de cascata é seguida de uma ligeira descida e a terceira zona aparece logo de seguida! Como esta zona tem muita curva, acabei por perder o contacto visual com a frente e quando finalmente o trilho terminou, não via ninguém nas zonas mais próximas. De qualquer das maneiras, o trilho terminava a meio da subida e restava-me fazer o final da subida ao meu ritmo e esperar que a frente não me tivesse ganho muita margem. Felizmente a tática resultou e mesmo no final da subida, vejo o Gomes ao longe e tento aproximar-me na descida. Embora não tivesse colado, senti que me estava a aproximar e assim que começou a subida mais longa da prova, percebi que as sensações eram muito boas e tentei tirar partido disso... Inicialmente consegui fazer uma aproximação ao Gomes e logo de seguida, acabei por "apertar" mais um bocado e consegui colar logo ao Carlos e ao Filipe que dividiam as despesas da frente! Mas como vinha de trás e vinha a sentir-me muito bem a subir, resolvi impor eu o ritmo da prova (daí o meu nome aparecer em terceiro lugar na ordem inicial do grupo). Tinha a noção que a parte final teria a parte mais técnica da prova e tinha que arriscar tudo ali! Se o ritmo já ia alto, o meu abanão veio dar um novo embalo e tive a plena perceção que a mantermos aquele ritmo, alguém tinha que quebrar. 

Nos primeiros 30'' aparece o grupo da frente

Após a tal subida mais longa da prova, tínhamos uma descida que era relativamente acentuada e nova grande subida! Aproveito a força que ainda tinha e tentei novamente ficar sozinho... Apesar de a tentativa ter algum sucesso, tendo deixado de ouvir passos imediatamente atrás de mim, acabei sempre por perder o pouco avanço que tinha nas descidas, voltando o grupo a formar-se! A partir desta última subida, o grupo deixou de ter 4 elementos e passou a ter só 3 porque o Filipe, que tinha assumido grande parte do início da prova, tinha acabado por ficar irremediavelmente para trás. Até aos 16kms tentei sempre imprimir ritmos fortes e acabei por ficar sozinho com o Gomes, com o Carlos a seguir ligeiramente atrás mas sem nunca nos perder de vista. A partir dos 16kms, o meu receio veio a confirmar-se! A zona mais técnica da prova (muitos saltos por trilhos inclinados, muito suporte em ramos ao longo das descidas) e perdi logo o contacto com o Gomes, sendo que também o Carlos acabou por se aproximar naturalmente, ganhando-me ligeiro avanço na parte final. Logo após esta fase técnica tínhamos a quarta e última zona de escalada em cascata onde acabei por não conseguir colar ao Carlos. 

Após a última zona de cascata

A zona de escalada terminava mas a subida continuava bem acentuada, só que desta feita era em estradão... Tentei novamente aproximar-me mas os ritmos estavam muito idênticos naquela fase da prova. Após esta última grande subida, sabia que me faltavam duas subidas mais pequenas mas inclinadas e uma fase muito rápida na parte final onde faríamos a aproximação a Valado de Frades por trilhos semelhantes aos 3 primeiros quilómetros. 

O filme deste final foi sempre muito semelhante... Nas tais duas últimas subidas consegui aproximar-me ligeiramente do Carlos, tendo o ponto mais próximo no ponto de água que coincidia com a última subida, onde tinha cerca de 50mts de atraso. Após esse momento, iniciamos uma descida que é feita maioritariamente por estradão e onde acabo por perder ligeiramente para o Carlos que estava a descer muito forte mesmo! Chegamos ao alcatrão e quando olho para a frente vejo os 3 primeiros separados por não mais de 200mts! O Gomes ia na frente a fazer a curva para a ponte e o Carlos seguia à minha frente cerca de 100mts... A partir deste momento a prova entraria em ritmos alucinantes e quem não tivesse pernas corria o risco de perder a hipótese de lutar pela prova.

Última descida antes do alcatrão

Assim que pisamos o alcatrão o ritmo dispara automaticamente para valores abaixo dos 4'/km e mesmo em trilhos onde tínhamos que andar a saltar "charcos", o ritmo não passou desses valores! Já as distâncias entre os atletas é que teimavam em não alterar... Não conseguia ganhar 5mts ao Carlos e o Gomes também não dava mostras de quebrar! De qualquer maneira não era hora de atirar a toalha ao chão, tinha que manter o ritmo alto e fazer o meu melhor! Chegamos à zona onde no ano anterior atravessámos uma ribeira (a menos de um quilómetro da meta) e vejo uma ponte, o que poderia ser uma vantagem para mim (a não passagem na água, mais propriamente) caso alguém quebrasse mas a proximidade da meta fez com que não existissem mesmo alterações na classificação tendo o Gomes ganho, o Carlos em segundo e eu em terceiro, todos com menos de um minuto de diferença!     

Pódio Classificação Geral

A nível desportivo foi uma das provas mais exigentes que já fiz! Desde o primeiro metro de prova que alguém seguiu na frente a impor ritmos altíssimos... E quando esse alguém acabava por não aguentar, outro se seguia para continuar o ritmo imposto! Tentei a minha sorte na fase que mais me favorecia mas não consegui fazer diferença suficiente para lutar pelo final da prova. Agora resta treinar para conseguir minizar as percas nas minhas zonas mais "fracas" e potenciar ainda mais os meus pontos "fortes". O certo é que o treino me está a deixar cada vez mais próximo de onde quero estar e a motivação para continuar a treinar é cada vez maior! 

A nível organizativo, a prova apresentava bastantes melhorias em relação ao ano passado... Em momento algum me perdi, as fitas estavam bem espaçadas e os abastecimentos eram mais que suficientes! O percurso é bastante interessante para a zona onde se insere e consegue ser bastante duro ao mesmo tempo que permite ritmos muito altos! O abastecimento final estava impecável e mesmo tendo ficado para acompanhar o final dos caracóis que ainda estavam em competição, ainda fui a tempo de tomar banho de água quente, muito bom! 

Comentários

Mensagens populares