5ª Paragem: Ultra Trail Transfronteiriço de Barrancos

Ultra Trail Transfronteiriço de Barrancos

Distância: 54.60kms
Tempo: 05:39:53
Classificação Geral: 2º Classificado
Classificação Escalão: 1º Classificado SenM

Em conversa com o grande amigo Ico Bossa tinha prometido que voltaria a uma terra que me é muito querida e que voltaria a correr a prova por ele idealizada e brilhantemente organizada pelo Mundo da Corrida. A meio do presente ano decidi que este seria o ano e a inscrição seguiu...

Na sexta feira, dia 27/11, seguiu uma comitiva de 7 caracóis (6 atletas + 1 acompanhante) para representarem a equipa por terras alentejanas e como sempre tentar fazer a melhor classificação possível desfrutando ao máximo de tudo o que a prova nos daria. Foi chegar, jantar porco preto, uns joguinhos de setas, rever velhos conhecidos (um muito obrigado a todos aqueles que me foram ver, vocês são fantásticos) e finalmente pavilhão. Ao contrário do que aconteceu este ano no Algarve consegui dormir, dormi bem e muito e quando acordei na manhã seguinte sentia-me bem e com uma vontade enorme de correr! Foi comer qualquer coisa, últimos preparativos e siga para o Parque de Feiras e Exposições de Barrancos, local da partida.

Parque de Feiras e Exposições de Barrancos

O relógio aproximava-se das 9h, os atletas começaram a juntar-se no pórtico da partida e após a contagem decrescente saímos para uma aventura que prometia muito... Seriam 55kms com 1500mts D+. Saída não demasiado forte, o ritmo ia a rondar os 4' 15'' min/km e deixei-me ir, estava confortável e rapidamente o terreno inclinou e tive que reduzir o andamento. A subida não era muito inclinada mas era algo longa e quando cheguei ao topo estava na frente da corrida num grupo que já se mostrava reduzido logo atrás. Descida inclinada logo a seguir e um percurso pelo meio do "bosque" até regressar a Barrancos. Na subida que dava acesso à localidade (+/- 5kms) o Vitor Cordeiro passou num bom ritmo e acabei por apanhar a boleia, atravessámos ruelas, igreja e chegamos ao 1º abastecimento, só de água. Como tínhamos "acabado" de partir e a manhã não estava propriamente quente seguimos caminho sem abastecer e saímos de Barrancos. A saída era feita por uma zona em alcatrão, numa ligeira subida, novamente longa, o ritmo estava alto mas sem forçar muito, foram os primeiros sinais de que o corpo se estava a sentir bem. A meio da subida (+/- 8kms) o Vitor parou e segui eu na frente da prova, situação que se manteve até ao segundo abastecimento, aos 12kms, onde estava a minha mãe. Foi o primeiro abastecimento onde estava isotónico, aproveitei a bondade da organização e enchi os bidons, tal como faria até ao final da prova... Além de saber bastante bem, estava fresco e hidratava, perfeito para a prova! Encher rápido, um pedaço de banana e siga para o terceiro abastecimento. Subimos um monte logo após o abastecimento e foi só rolar até ao terceiro abastecimento, na pipa, um dos locais mais bonitos da prova. 

Segundo abastecimento, antes da ponte da pipa
Saída do segundo abastecimento




























Após este abastecimento a prova entrava noutra toada, deixávamos os trilhos e caminhámos para perto da margem do rio. Logo após a ponte na imagem anterior o caminho era feito por um estradão perfeitamente corrível, para quem tinha pernas, local onde deixei de ver o Vitor, ele ia num ritmo que sabia ser demasiado alto para mim. Poucos kms à frente tínhamos um desvio à esquerda que nos levava para um trilho "monte acima", pouco definido que nos levou diretamente para a margem do rio. O caminho por vezes desviava-se da água mas rapidamente voltávamos para a sua margem. Num desses desvios volto a ver o Vitor e vejo que afinal não estava a perder muito, mas não entrei em grandes "euforias". Ele voltou a acelerar, eu meti o meu passo e rapidamente cheguei ao Monte da Coitadinha, local do quarto abastecimento, onde estava o Ico. Uma ligeira troca de palavras, um bocado de sal e siga caminho. Novamente junto ao rio, vejo duas vacas ao longe e começam a correr à minha frente... Foi 1km a correr acompanhado e depois elas viraram à esquerda, quando olho para as fitas são para a direita, vejo o seu seguimento, uma subida muito inclinada, não admira que ela fossem para o outro lado! Subida acima e primeiro sinal de cansaço, começo a sentir as pernas ligeiramente pesadas mas nada que não fosse normal para perto de 30kms de prova. Quando começamos a atacar a "subida" para Noudar, lembrei-me de um treino que tinha feito por aqueles lados já fazia mais de um ano com o Ico em que estava meio esgotado e dei por mim a rir-me comigo próprio com a evolução que tinha tido. Pensamentos para fora e vamos subir para o Castelo. Continuava a sentir as pernas mas isso não me impediu de fazer 85% da subida a correr, só nas rampas mais inclinadas é que não estava a conseguir correr. Chegada ao Castelo de Noudar, foi reabastecer os bidons (e que jeito deu este abastecimento) e seguir para dar a volta aquela península humanamente desocupada.

Após o abastecimento da 1ª passagem pelo Castelo de Noudar
Antes de iniciar a descida fui avisado que aquela seria provavelmente a fase mais perigosa da prova, e o aviso veio em boa hora, porque foi mesmo essa a realidade! Foi uma fase muito dura, uma fase à qual não me adequo na plenitude mas que tentei fazer sempre sem risco algum, poderia perder algum tempo mas pelo menos conseguiria mater-me "fresco" para o resto da prova. Assim que passei essa fase mais técnica voltou a fase da corrida e consegui meter novamente o meu ritmo. As pernas começavam a mostrar mais sinais de cansaço, aquelas pedras todas mesmo devagar tinham deixado marcas. Nova ascensão até ao Castelo de Noudar, tive um começo não muito rápido mas fui-me sentindo melhor ao longo da subida e a partir de meio voltei a correr! 

De regresso ao Castelo de Noudar
Já dentro do castelo foi mais do mesmo... Sal, bidons e seguir! As pernas começavam a pesar e aquelas zonas técnicas junto ao rio deixavam ainda pior. As paisagens eram belíssimas mas na altura o corpo queria pouco saber disso queria era os kms a passar. Dei por mim a olhar para o relógio de 100 em 100mts até que me proibi de olhar para o relógio e em menos de nada estava no último abastecimento, ao 47kms. Daqui para a frente era voltar ao estradão por onde tínhamos passado após a ponte da pipa. Sabia que os desníveis não eram muito acentuados e foram muito raras as ocasiões em que o corpo me forçou a andar, não era uma corrida como a inicial, a 4min/km, mas era o possível. Na ponte da pipa voltei a ver os meus pais, foi muito bom... Estava a precisar de ver alguém conhecido, ouvir alguém a dar força e tive isso tudo... Além de um grande sorriso por me verem a chegar! Daí para a frente, apesar de ter algumas subidas consegui sempre manter um ritmo forte e à chegada foi ótimo ouvir uma voz amiga de quem não estava à espera a chamar por mim, ainda deu para dar aquela última corrida em direção à meta! Obrigado Tomás Torres, és enorme! 

A cortar a meta, dois grandes abraços! Um do meu pai que estava à minha espera, senti o alívio dele por me ver chegar, estava provavelmente mais nervoso que eu, e foi uma vitória dos dois! Logo a seguir, um grande amigo, por quem tenho uma grande amizade que também lá estava para festejar comigo, o António Soeiro de Brito, obrigado por todo o apoio! Esta chegada foi um misto de emoções, numa terra que me diz muito, junto de gente que muito estimo e onde dei tudo o que tinha e não tinha!  

Por fim foi esperar pela restante equipa, sabendo que tínhamos hipótese de lutar pelo 1º lugar coletivo. Em 5º lugar chegou logo o Gil, que prova enorme que fez (parabéns amigo!), ainda lhe valeu um prémio e após algum tempo chegou o Pedro Crispim, que vinha super preocupado com a equipa sem necessidade nenhuma! De qualquer maneira, obrigado pela preocupação, amigo, és grande! Por fim mas não menos importante chegou o João Martins ainda a tempo de festejar o caneco de 1ª equipa... Foi um dia caracolesco enorme, quer de convívio quer de resultados! 

Pódio geral masculina com o Gil Vicente

Pódio coletivo - 1ª equipa



























Resumindo, uma prova espetacular, com um percurso belíssimo e duro! Organização muito, muito boa, onde não me perdi uma única vez, com abastecimentos bons e bem colocados... Excelente mesmo! Foi um grande dia quer para mim, quer para a equipa! Boas corridas a todos

Comentários

  1. Só descobri o teu blog hoje mas já andei a ver tudo para trás. Tão bom atleta como a escrever, gostei muito e vou seguir com atenção! Muitos parabéns pela grande prova em Barrancos! Grande abraço e até um dia destes num trilho (pelo menos na partida).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda me lembro de ter lido o teu texto do MIUT e largar-me em lágrimas enquanto o fazia... Faz parte dos textos obrigatórios antes de cada aventura em que me meto!
      Obrigado pelo elogios, Filipe Torres. Até um dia destes num trilho.

      Eliminar
  2. Grande Tiago continua campeão ... Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero continuar... E com a tua companhia! Grande abraço

      Eliminar
  3. Estás uma makina, mas poupa-te que ainda és muito novo. Outra coisa só ficaste em segundo porque eu tive que ficar a assar carne........
    Um grande abraço amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se ficavas à minha frente, acredito que sim, mas uma coisa é certa, se fosse eu a assar a carna, a probabilidade de ficarem queimadas era bem maior! Grande abraço, amigo e obrigado pelo apoio!

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares