7ª Paragem 2018: Que orgulho!

Ultra Trilhos da Gardunha - Trail (22kms)

Distância: 23.91kms
Tempo: 02:24:38
Classificação Geral: 2º Classificado
Classificação Escalão: 1º SenM

"Trabalha de maneira a que um dia os teus ídolos se tornem os teus rivais!"

A Gardunha é um palco demasiado especial para mim! Ainda era muito novo para guardar grandes memórias mas incrivelmente lembro-me perfeitamente da mítica curva (mítica para mim, claro) em que esperava pelo meu pai e ficava com um sorriso enorme por ver que ele vinha em primeiro. Já depois disso, várias viagens que fiz até àquela serra... As visitas a amigos que por ali moravam acabavam por lá ir parar e embora não seja de lá, nem tão pouco me consiga orientar por lá, contínuo a ter um grande carinho pela Serra e a ter um gosto enorme em voltar. Quando recebi o convite do Miguel Batista para participar numa prova que por lá decorreria, tentei ver a viabilidade de participar na prova longa... A proximidade com o grande objetivo da época, o MIUT, fez com que tivesse que optar pela prova mais curta que, ainda assim, teria 24kms com 1100mts de D+.

O planeamento estava a ser cumprido praticamente na totalidade e isso indicava que por esta altura estava a terminar a fase mais crítica dos treinos... A partir daqui será um retirar de carga que me levará provavelmente ao meu melhor momento de forma de sempre! E foi assim que cheguei à Gardunha, embora não estivesse com o corpo 100% descansado, sentia-me bem e tinha consciência que numa prova de 23kms não haveria muito a fazer, era meter prego a fundo e esperar que chegasse à meta. Após o levantamento de dorsais, estava na hora de equipar e seguir para a zona da partida (sobre o equipamento falarei noutro post). Fazemos os cumprimentos normais, uma bonita e sentida homenagem a um atleta que nos deixou cedo demais, Rui Pacheco e após a contagem de 5 até 0, seguimos para a minha última prova antes de seguir viagem para a Madeira. 

Momentos antes da partida
Já o disse anteriormente, sabia que tinha que andar sempre a fundo para poder ter algumas aspirações na prova. Embora já conhecesse a serra, não sabia qual o grau de tecnicidade, só sabia que a partir dos 3kms iniciava os 1100 D+ até aos 14kms e a partir daí seriam 1100 D- até à meta. Os primeiros 3kms eram feitos numa volta à aldeia onde decorria a partida, Louriçal do Campo... E foi ainda dentro da aldeia que a prova começou para mim! Aos 200mts de prova meti um ritmo forte e esperei para ver quem viria comigo. Ao fim de poucos metros percebo que o Tomás Estevães está comigo e que mais ninguém tinha "respondido" ao meu ritmo, seguindo juntos durante toda a "voltinha" à aldeia. 

Saída de Louriçal do Campo
O momento em que abandonamos a aldeia é o preciso momento em que iniciamos a subida... Aproveito para olhar para trás e só vejo o Paulo Gonçalves, mas com alguma distância.  Aparentemente existia um estradão que seguia aos S's ao longo de toda a encosta da serra mas as bandeiras e fitas indicavam que o caminho seria mesmo a direito, pelos single tracks que iam unindo as curvas dos S's. Inicialmente, quando o trilho ainda não tinha muita pedra, tentei fazer o máximo possível a correr, metendo a passo em alguns troços da subida mas à medida que a subida se ia tornando mais técnica, tendo que fazer movimentos de pernas mais amplos para poder chegar à rocha acima, os troços a passo iam sendo maiores e os a correr mais pequenos. É já numa dessas fases, por volta dos 6kms que vejo o Filipe Costa e o Armando Teixeira a aproximarem-se... A técnica deles de subida permitiu-lhes aproximarem-se e menos de um quilómetro depois começa o "jogo de ataques" destes quatro atletas. Inicialmente o Armando acaba por ganhar alguma distância num troço curto a descer mas acabo por recolar no reinício da subida! Pouco tempo depois, se não me engano por volta do 8º km, em nova subida técnica, o Filipe ganha também alguma distância. O Armando segue atrás dele e o Tomás vai acompanhando o Armando mas sem nunca recolar ao Filipe, ficando este isolado. Tento não descolar e o máximo que ando é com 50mts de diferença para esse o duo. Acabo por conseguir recolar, vemos as antenas ali mesmo ao lado mas o percurso acaba por seguir por uma descida inicialmente algo técnica e que depois se torna em estradão fácil onde acabamos por nos juntar o 3, seguindo o Filipe com cerca de 200mts de avanço. Logo após essa descida o tipo de terreno mantém-se, apenas muda o sentido da inclinação, ou seja, uma subida não exageradamente inclinada, feita em estradão... Para alguém como eu que gosto tanto de correr aquele era o momento ideal para fazer a diferença! Tentei meter um ritmo forte mas confortável, que me permitisse fazer praticamente a subida toda a correr... Aos poucos vou-me aproximando do Filipe e não sinto ninguém a vir junto a mim! Assim que consigo colar, mantenho a passada e embora seguíssemos juntos durante alguns metros acabei por ganhar alguma distância na fase final da subida! Íamos com cerca de 12.5kms, faltavam menos de dois para chegar às antenas e esses metros são feitos numa zona menos inclinada mas mais técnica... Tal como anteriormente, nas zonas mais técnicas o Filipe ia-se aproximando e nas zonas mais inclinadas eu fugia ligeiramente! Foi assim que chegámos às antenas, o avanço era muito curto, não mais de 50mts e não se via ninguém demasiado perto, pelo menos das vezes em que olhei para trás. 

Terminados os primeiros 14kms com a volta inicial e com a maior parte do desnível positivo, restava agora o desnível negativo... Se a descida fosse tão técnica como a subida, não seria grande indicador para mim, mas ia tentar arriscar, nunca esquecendo que o MIUT estava a uma distância de duas semanas e uma lesão podia pôr em risco 6 meses de preparação. Na fase inicial da descida o Filipe acaba por se juntar, tendo chegado ao abastecimento juntos... Como levava o colete com os flasks não tive necessidade de parar. Depois tínhamos 200mts a subir em alcatrão, uma subida muito inclinada onde tentei ganhar algum espaço para compensar a descida que se seguiria... Embora tenha conseguido, foi sol de muito pouca dura. Assim que o terreno voltou a ter desnível negativo, o Filipe junta-se e segue imediatamente, não me dando sequer hipótese de tentar colar. Vou seguindo ao meu ritmo e pouco tempo depois o Armando aproxima-se com uma passada muito solta para o terreno técnico onde estávamos e ganha-me também avanço. Pouco tempo depois entramos numa zona com algumas zonas de escadas, menos técnica, onde tento "perseguir" o duo da frente... Vou metendo ritmos altos e quando vou numa das retas, o Armando e o Filipe vêm em sentido contrário, tinham-se enganado e estavam a retornar ao traçado da prova. Sigo imediatamente atrás deles, com um ligeiro atraso e vou diminuindo esse atraso aos poucos. Quando estamos a chegar ao segundo e último abastecimento, aproveito que era uma fase muito rolante, passo por eles e sigo caminho sozinho! Não tenho noção de ritmos mas sei que ia bastante forte... Assim que saímos da aldeia onde estava o abastecimento entramos em zona técnica, novamente. Numa das zonas de acesso a uma ribeira, tínhamos que atravessar umas pedras molhadas e quando estou a tentar fazer essa acesso a "4 patas", aparece o Armando. Fazemos a subida que se seguia juntos e assim que o terreno fica novamente mais técnico o Armando volta a fugir... Oiço a buzina da equipa de apoio do Caracol lá ao longe (obrigado ao Alberto, Gilda e Zé Pedro por terem ido lá dar uma força extra) e aos poucos o Armando vai ganhando mais vantagem até que numa levada, o perco mesmo de vista.

Se olharem para o centro da foto, ligeiramente à esquerda, ali estou eu... O Armando já lá ia!

Durante a fase seguinte e até ao fim da prova, a tecnicidade baixava bastante. De qualquer das maneiras, tinha gente atrás de mim e tinha acabado de sair de uma zona técnica portanto tinha que voltar a meter ritmo fortes. Entramos novamente dentro da aldeia de Louriçal e vejo a equipa de apoio... Faltava cerca de um quilómetro e o meu pai diz-me que o Armando levava cerca de 50" de avanço. Admito que ainda acalentei alguma esperança, dei tudo o que tinha de mim e quando a 300mts da meta, numa zona com alguma inclinação vejo o Armando 75mts à frente percebo o quão perto estive... De qualquer maneira durante a subida acabei por perder ligeiramente, até porque vinha num esforço muito elevado a direito e as pernas não se adaptaram muito bem durante a subida. Quando chego ao topo dessa subida oiço a anunciarem a vitória do Armando e sigo até ao fim, terminando muito, muito satisfeito! Afinal de contas, tinha terminado a prova a 37" de um dos melhores atletas nacionais que ainda no ano de 2017 representou a seleção nacional, os meus parabéns Armando, foi ótimo poder dividir os trilhos contigo.

Final da prova, em Louriçal do Campo

Este resultado deixou-me ainda com mais expectativas para a Madeira, quero ver o que consigo fazer depois desta preparação intensa! Uma coisa é certa, o que havia a fazer, está feito, e agora resta-me esperar pelo dia 28 para poder iniciar os 115kms na ilha "majestosa"! 

Pódio da classificação geral

A nível da organização, completamente irrepreensível... Um percurso com uma beleza incrível, onde apanhámos vários trilhos, com desníveis acentuados e longos! Uma preocupação enorme com os atletas, um ótimo ambiente na "arena" da prova e prémios regionais muito bonitos! Com um percurso extraordinário e uma organização de igual nível, só posso dizer obrigado Miguel e restante equipa! 

Comentários

  1. Foi uma grande prova, houve espectáculo e indecisão até ao fim. Quanto a mim, fiquei muito satisfeito por ter lutado lá na frente contra dois grandes corredores nacionais. Um grande abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi mesmo... Várias trocas na liderança e um ritmo altíssimo!
      Para corredor nacional ainda falta um bocadinho 😜
      Boa recuperação, um abraço

      Eliminar
  2. É pena esta prova ser tão em cima do MIUT, tem mesmo muito bom aspecto! Para o ano, mesmo que volte À Madeira, tenho que lá ir. Muitos parabéns pela tua prova, percebo o teu sentimento de orgulho ao ficar atrás da lenda que é o Armando, sem dúvida alguma uma das minhas pessoas preferidas no desporto. Um abraço e até para a semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A prova de 50kms era efetivamente dura para quem vai à Madeira dentro de duas semanas mas os 24kms foram um ótimo teste ;)
      O Armando é uma referência do trail nacional :)
      Terça já voo, até para a semana :)

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares