2ª Paragem 2018: Primeiro objetivo cumprido!

S. Silvestre Golegã

Distância: 10.03kms
Tempo: 00:33:55
Classificação Geral: 2º Classificado
Classificação Escalão: 2º SenM

Em 2017 disputou-se a quarta edição da S. Silvestre da Golegã e pelo quarto ano consecutivo alinhei na partida do largo da Câmara Municipal deste Município. A proximidade de casa e o percurso praticamente plano fazem com que seja a minha escolha ao longo destes últimos anos para tentar bater o meu Recorde Pessoal (RP) na distância, tornando-me simultaneamente totalista da prova. Tal como a minha escolha, é também a escolha da equipa e todos os anos juntamos lá muitos Caracóis para fazermos uma enorme festa!
O momento da época bate quase sempre na mesma situação: pré época! Uma fase de treinos muito intensa, com um grande volume e um cansaço "natural" do corpo... Não é o momento ideal para tentar bater recordes pessoais mas uns pequenos ajustes ao treino e o corpo consegue ter folga suficiente para fazer os 10000mts mais rápidos de sempre. Foi assim que cheguei ao dia 29 de Dezembro, com uma ligeira "folga" mas que me permitia sentir o corpo com energia para o que aí vinha. Tive a preocupação de dar um maior descanso nos dois dias que antecederam a prova e não haver grandes excessos alimentares ao longo de toda a semana e tentei ter preocupação com a quantidade de água que ingeria... Contas feitas, o corpo estava afinado, só faltava mesmo fazer a corrida e esperar que os resultados fossem os esperados! Ou melhor, o corpo estava afinado mas ainda faltava uma parte importante, a preparação mental. O meu RP era de 34'51'' e o primeiro objetivo era apenas obter um novo recorde mas havia ainda um segundo objetivo, que partilhei com o meu pai, que era o de baixar dos 34'. Quer eu, quer ele achávamos que era possível e portanto, com isso bem assente na cabeça, quer o corpo quer a mente estavam preparados, só faltava chegar a hora da prova.

Fizemos uma grande reunião de caracóis em Torres Novas, tal como é habitual nesta prova e seguimos todos juntos para a Golegã... Quando chegamos, como tínhamos bastante tempo, fomos ver o "ambiente" da partida e já lá estavam alguns atletas. Aproveitámos para meter a conversa em dia e pouco depois fomos equipar! A noite não se antevia muito fria e com aqueles ritmos o corpo ia ficar a ferver num instante... Optei por usar os manguitos só para aquecer e lá fomos, um grande grupo de caracóis fazer quase 20' de aquecimento! No final desses minutos tirámos a foto de família e seguimos para a zona de partida. 

Fotografia de família
Já havia um grande aglomerado de atletas na zona de partida e consegui entrar na primeira linha de atletas... Estava decidido a fazer um bom arranque, até para poder ter alguma margem para o primeiro objetivo e não deixar fugir o segundo! Faltava muito pouco para a partida e a 10'' das 21h inicia-se a contagem decrescente! Ao 0, tento dar uma passada, escorrego e quase caio... Felizmente consigo-me reequilibrar e arranco. Nas provas de estrada raramente olho para o relógio no primeiro quilómetro, sei que o ritmo vai ser muito forte, muito mais forte do que o planeado então deixo-me apenas ir e depois tento estabilizar à medida que o ritmo vai baixando para aquilo que considero o "expectável" e assim foi nesta S. Silvestre... Saímos a um ritmo que nos deixou logo num grupo reduzido e após a primeira reta da prova, um dos atletas dá um esticão para ver quem seguia naqueles andamentos. Foi a primeira vez que olhei para o relógio e no momento do esticão íamos a 3'00''... Resolvo não ir imediatamente ao choque e junto com ele vão apenas mais dois atletas! Manter aquele ritmo era um acto quase suicida mas também não queria quebrar muito. O esticão daquele atleta acabou por não surtir os melhores efeitos porque o ritmo dele e de outro acabou por diminuir para o meu, mantendo o avanço que ganharam e só um dos que respondeu manteve o ritmo! Ao fim de um quilómetro, sensivelmente o filme da corrida ia com um atleta na frente, dois atletas que tinham acabado de perder a cola e eu, que ia a perseguir esses dois atletas. 

O segundo quilómetro manteve a mesma toada para mim e para o rapaz que ia na frente, consegui manter ritmos a rondar os 3'15'' e mesmo assim ia a perder espaço para a frente... Que ritmo! Em relação aos dois atletas, acabei por me ir aproximando e consegui mesmo colar em menos de 500 metros. Sabia que o ritmo ia muito alto para mim mas as sensações eram cada vez melhores, sentia-me com força e aparentemente com capacidade de manter ritmos altos! Não era altura de quebrar, tinha que manter o ritmo e se morresse, logo se via... Passei os dois atletas e fiquei sozinho a tentar perseguir o primeiro lugar, algo que se antevia complicado. Entretanto passo pelo meu pai e digo-lhe que me sinto bem mas não disse muito mais nem dei grandes demonstrações, tentei focar-me o máximo possível na corrida, aquele recorde com mais de um ano tinha que cair naquela noite!

Passagem ao segundo quilómetro, já com um grupo a perseguir-me, onde estavam os dois atletas que tinha acabado de passar

O terceiro quilómetro manteve-se praticamente igual, pelo menos no que de mim para a frente dizia respeito mas a distância entre nós era cada vez maior. Ainda assim ia olhando para o relógio e mantinha-se nos 3'20'', o que era bom sinal, é que segundo as minhas contas o ritmo dos 33'59'' era 3'24'', só tinha que me manter abaixo dele. Optei por raramente olhar para trás, queria tentar ir sempre no máximo e se o conseguisse fazer, não interessava onde vinham os atletas de trás, eu não poderia fazer melhor! E foi assim que me mantive... Como não ouvia ninguém atrás devia significar que não estavam propriamente perto.

Passagem ao terceiro quilómetro

O quarto e quinto quilómetros mantiveram-se na mesma... Comecei o quarto a sentir o corpo a pedir para diminuir o ritmo! Meti o único gel que tinha levado, podia ser que desse força no fim e tentei não quebrar o ritmo, algo que consegui fazer até perto do final do quinto quilómetro onde nunca vi o relógio abaixo dos 3'25''.

É aqui que entro na pior fase da minha prova... O final do quinto, o sexto e o sétimo quilómetro foram sendo piores a cada metro que passava e as palmas das pessoas por quem ia passando iam estando cada vez mais próximas dos aplausos de quem vinha atrás de mim. Tentava aos esticões ir melhorando o ritmo mas acabava invariavelmente por voltar a ritmos que rondavam os 3'35''. No sétimo quilómetro deixo o corpo ir nesse ritmo, tinha que guardar tudo para um final que sabia ser "mortífero" para os atletas habituados a provas de estrada. Passo pelo meu pai e ele diz-me para tentar manter a distância, que estava a ir muito bem e tentar por tudo manter aquele lugar. 

Passagem aos 7kms, sensivelmente quando começo a voltar a aumentar o ritmo

Já perto do oitavo quilómetro, numa das rotundas da Golegã, oiço o Rui Queixada a dizer que estava com atletas muito próximo e penso para mim mesmo que era aquele o momento, tinha que dar tudo o que restava de mim! Faltavam menos de 7' de prova, se não morresse e tinha que arriscar tudo! Aumentei um pouco o ritmo e quando o corpo pedia para voltar a reduzir, dava um novo esticão para não morrer... Esta era uma zona praticamente sem público e não sabia se alguém se estava a aproximar mas queria ter a certeza que se alguém passasse por mim tinha que ir num ritmo que para mim seria impossível! E assim chego aos 9kms, uma das retas dos primeiros dois quilómetros e que sabia ser já perto da meta! Estava demasiado perto para me permitir grandes quebras... Idealmente tentaria aumentar o ritmo como em todas as edições anteriores mas não sabia se iria aguentar! Decidi arriscar, a respiração passou a estar completamente descontrolada, perfeitamente audível para quem estivesse a 5mts de distância e a cara devia ser de completo terror pelo sofrimento que estava a ter, mas não havia outra solução. Admito que nesta altura o tempo era o menos importante, estava a pensar mais no lugar que no tempo mas de repente, olho para o relógio e percebo que o segundo objetivo estava demasiado próximo para sequer quebrar 10mts antes da meta! Voltei a aumentar o ritmo para o máximo que me parecia humanamente (im)possível e vi a reta da meta! Apertei tudo o que pude e no fim, quando vi o relógio, este mostrava 33'55''! Os dois objetivos estavam cumpridos! Agarrei-me aos dois joelhos a tentar voltar a respirar, vou recuperando aos poucos e aparece logo a minha irmã a dar-me os parabéns e logo de seguida o meu pai, que me dá um abraço apertado pelos feitos atingidos (tempo e classificação) e logo depois a minha mãe... Aparentemente não fui o único que fiquei com a respiração alterada, estavam os 3 a sofrer para me ver chegar! 

Pódio da Classificação Geral

A nível pessoal foi o melhor fecho de ano que poderia ter pedido... Uma fase intensa de treinos que a meio teve um recorde pessoal aos 10kms com um segundo lugar numa prova que tem ganho um espaço enorme no meu calendário! Foi o primeiro objetivo individual que cumpri no ano civil de 2017, embora já na época de 2018. Agora resta continuar a trabalhar com a mesma intensidade para poder continuar a atingir os objetivos propostos para esta época! 

A organização manteve o mesmo nível dos anos anteriores... Uma prova "low cost" com tudo o que as grandes prometem! Uma t-shirt, um lenço para a cabeça, um percurso plano quase perfeito para tempos, banhos quentes no fim e troféus e diplomas para os 3 primeiros da geral e de cada escalão! Os meus parabéns! 

Comentários

  1. Brutal, grande prova e descrição emocionante! 2018 começou da melhor maneira, vamos a isso!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi bom poder viver esta prova, e no fim reviver ao escrever... Também sabes como é, Filipe ;)
      Só quero que venha os Reis para ver se a máquina está a ficar bem oleada :)
      Abraço e bons treinos :)

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares