Material obrigatório para treinos sozinhos na Serra

Tudo começou na terça feira, dia 23 de janeiro... Já não ia a Sintra há muito tempo e no plano de treinos este parecia o dia ideal para regressar. Falei com o meu pai e o treino encaixava que nem uma luva e o regresso ficou marcado para o dia seguinte. De imediato surgiu um problema com o qual nunca me tinha deparado: Era a primeira vez que tinha que correr naquela serra sozinho. O meu guia habitual, Pedro Crispim não estava disponível e tive que começar a pensar em alternativas para me desenrascar numa serra em que não estou habituado a treinar e que por experiência própria sei ter muitos single tracks por onde me poderia facilmente "perder".

Lembrei-me que o meu relógio (Suunto Ambit 3 Peak) tinha uma função de seguir tracks e isso seria-me útil também para o treino longo de sábado... Foi meter as mãos na massa e aprender a seguir os trilhos pelo relógio. Lição aprendida (descreverei no próximo post como fazer), escolhi o treino pretendido com o meu pai e já na quarta feira segui para a Lagoa Azul, um dos locais mais bonitos de Sintra e que seria também o local de partida do meu treino... Solitário.

Lagoa Azul, Sintra

E se já tinha treinado algumas vezes sozinho na "minha" Serra D'Aire e Candeeiros, nunca o tinha feito fora dela e à medida que me ia deparando com as situações ia fazendo uma check list mental de tudo aquilo que deveria ter trazido para o treino e não trouxe e também aquilo que tinha trazido e me deu jeito (a ordem apresentada é algo intencional mas à exceção do último item, todos eles são realmente importantes):

1 - Alguém que saiba qual o trilho que seguiste
Este é o primeiro ponto e claramente o mais importante! Se tudo correr bem, isto não serve para nada mas se algo corre mal, é isto que te pode salvar! Quando escolhi o meu treino em conjunto com o meu pai disse-lhe qual seria o anterior treino que tinha seguido e a partir daí, a qualquer momento ele acedia ao meu Strava e percebia por onde tinha seguido... Mas ainda assim tinha outra segurança, o Crispim! Ele tinha sido a pessoa que me tinha levado lá portanto sabia perfeitamente quais os trilhos que já tínhamos percorrido em treino.

(Por falar em Strava, já li que tinha uma funcionalidade para ir emitindo a posição GPS e assim os amigos podiam saber por onde andas... Parece uma boa opção, mas é paga e portanto, não está ao alcance de todos)

2 - Água
Este ponto foi um dos últimos que me apercebi da sua falta mas a verdade é que é muito importante! No Inverno temos tendência a descurar este ponto, o corpo não sente tanta falta de água e acabamos por não a ingerir... Se isto já é mau no dia a dia, num treino então pior! Num treino onde não nos sentimos à vontade é péssimo! A coisa a correr bem, como correu, durar-me-ia menos de duas horas, tempo mais que suficiente para aguentar sem beber água no Inverno... O problema estava no "e se"! E se me perdesse e andasse perdido nos trilhos durante mais tempo do que o previsto? A desidratação é algo silenciosa e muitas vezes só nos damos verdadeiramente conta do estado em que estamos já na sua fase final, portanto há que seguir o lema: "beber antes de ter sede" e levar sempre uma embalagem com água.

3 - Telemóvel
Este ponto serve muito como complemento ao primeiro... Se houver alguém que saiba onde estamos é importante, ter maneira como chamar essa pessoa é quase tão importante como a primeira! É óbvio que se não houver telemóvel, assim que se aperceberem que algo correu mal, dá para irem percorrer o trilho e ver o que se passou, mas com um telemóvel tudo pode ficar resolvido no momento. 

4 - Relógio GPS
Há duas maneiras de se conhecer uma serra: percorrendo o caminho que outros percorreram ou andando completamente a explorar o que existe na serra sem conhecimento nenhum prévio. Qualquer uma delas é válida mas para quem quer cumprir planos de treino convém ir com algo planeado e é aí que aparece o relógio GPS... Dependente das suas características, pode auxiliar de várias maneiras: Pode mostrar o percurso que está a percorrer (o que vou explicar no próximo post), pode dar as coordenadas exatas onde está e os mais recentes até permitem mostrar num mapa a cores com a sua localização e o que o rodeia! Portanto além de uma poderosa ferramenta de treino pode também ser um bom auxiliar para quem necessita de ajuda e mesmo para quem anda a passear antes ou depois das provas. 

5 - Manta térmica
Não é por acaso que as mantas térmicas fazem parte de quase todos os regulamentos das provas... Não pesa praticamente nada e pode salvar vidas! Voltemos ao caso de nos perdermos nos trilhos e voltemos também ao meu treino, em que saí por volta das 15h, estando no limite para o cair da noite numa zona "montanhosa". Se tivesse o azar de me perder e não me conseguir localizar, ou mais grave ainda, de me lesionar impedindo-me de me mover, este material poderia perfeitamente manter a minha temperatura corporal até chegar a ajuda que teria chamado com o telemóvel. 

6 - Corta Vento
Quem já passou alguns dias em regiões montanhosas sabe que, independentemente da altura do ano, as condições climatéricas alteram drasticamente numa questão de minutos... E quanto mais altos estamos, piores são as condições que se podem encontrar e que temos que nos precaver! Para serras como a Serra de Sintra e como a minha, provavelmente um corta vento para precaver um agravamento de condições nas zonas mais altas e que nos permita chegar às zonas mais baixas em segurança é suficiente... Se estivermos a falar de Serras acima dos 1000 metros já se recomenda vivamente um impermeável, de preferência 10k.

7 - GoPro
Este ponto não é obrigatório, obviamente, mas quando vamos para uma Serra onde podemos ser surpreendidos por qualquer paisagem de sonho e por lugares que normalmente não visitamos, dá muito jeito ter uma GoPro ou similar para registar esses momentos. Na segunda posto o vídeo da minha aventura pela Serra Mágica.

Eu sei que em alguns destes pontos acabei por falar de coisas que más que possam acontecer... Embora ninguém as deseje vale mais estar prevenido e poder responder às situações do que não estar preparado e de um acidente sem importância acontecer algo mais grave! Como diz o velho ditado, vale mais prevenir que remediar!

Dentro de dois dias sai o post sobre a utilização de tracks gps no Suunto Ambit 3 Peak.

Partilhem este post com os vossos amigos que não costumam ter grandes precauções quando vão treinar sozinhos para a serra... Espero ajudar a convencê-los! 

Comentários

  1. Um caracol apressado mas previdente. Parabens por este interessante blogue que vai retratando as ideias base que deveråo suportar qualquer aventura (por esta ordem): paixão, planeamento, preparaçåo, resiliência e o usufruto pleno da conquista. Boas aventuras...a passo de caracol apressado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A vida tem sido uma aventura, na realidade e todos esses pontos são precavidos e exatamente por essa ordem :)
      Neste mês e no próximo vêm as duas maiores aventuras do ano :)
      Obrigado ;)

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares